FANDOM


O panteão grego está cheio de figuras bastante peculiares. Todo mundo conhece Zeus, Afrodite, Atena, Dionísio, Hermes e sua trupe. Mas algumas divindades igualmente importantes passam quase despercebidas aos olhos do observador moderno. Por exemplo, Éris, a deusa da Discórdia, é uma das deusas mais injustiçadas.

Apesar de ser filha de Zeus e de desempenhar papel fundamental em eventos como a Guerra de Tróia, Éris é raramente mencionada por estudiosos de mitologia. O clássico (e discutível) tratado de mitologia de Thomas Bulfinch, por exemplo, a menciona em uma única linha. Isso tem que acabar.

Aqui está sua oportunidade de conhecer um pouco mais sobre Éris, sem precisar aprender grego para ler as obras de Hesíodo.

A Genealogia de ÉrisEditar

Determinar quem é filho de quem na mitologia grega já é, via de regra, uma confusão. Sendo Éris a Deusa da Discórdia, é natural que a confusão seja ainda maior.

Antes de mais nada, vamos aos nomes alternativos. O nome Éris também aparece em português como Éride em algumas fontes. A versão romana do nome é Discordia.

As principais fontes históricas apontam Éris como a filha mais velha de Nyx (Deusa da Noite). É discutível, no entanto, quem seria seu pai. Algumas fontes apontam Zeus, outras Cronos. Mas ainda resta a possibilidade de que seja filha de Zeus e Hera, não Nyx. Sim, é complicado.

Seus irmãos (filhos de Nyx) são todos ideias personificadas, assim como ela mesma: Nêmesis (indignação), Geras (velhice), Philotes (amizade) e Apate (enganação). Seus filhos também seguem a mesma linha, e incluem Algea (tristeza), Hisminas (discussão), Neikea (ódio), entre outros conceitos não tão bacanas assim. Talvez por isso fossem chamados pelos gregos de Daemones, e pelos romanos de Desgraças.

Mas a maior complicação não está na árvore genealógica de Éris, e sim na sua natureza dual. Há duas Éris. Uma espalha a Discórdia no sentido de guerra e destruição. Isso está de acordo com a sua prole demoníaca. A outra faceta de Éris é bem mais bondosa com aqueles que compreendem sua natureza. Ao espalhar a Discórdia, ela estimula a competição saudável, trazendo aprimoramento e progresso. [1]


A Aparência de ÉrisEditar

Poucas imagens de Éris sobreviveram aos milênios, mas brincadeiras à parte, o Principia Discordia nos deixa uma boa descrição de sua aparência física: Os Romanos deixaram uma imagem Sua para a posteridade — Ela era conhecida como uma mulher grotesca com uma aparência pálida e medonha, Seus olhos incandescentes, Suas vestes rasgadas e esfarrapadas, e uma adaga escondida em Seus Seios. Na verdade, a maioria das mulheres parece pálida e medonha ao esconder uma adaga gelada em seus seios.



Principia Discordia, p. 00015

A Esnobada Original e a Guerra de TróiaEditar

Diz a lenda que todos os principais deuses do Olimpo foram convidados para o casamento de Tétis e Peleu. Menos Éris. Incomodada com a desfeita, decidiu espalhar um pouco de discórdia no ambiente. Preparou uma maçã de ouro (o Pomo da Discórdia) com os dizeres καλλιστι – Para a Mais Bela – e a lançou na festa.

Hera, Atena e Afrodite começaram a discutir para saber quem era a mais bela; e, portanto, digna da maçã. Como não chegaram a um consenso, chamaram Páris, um mero mortal, para arbitrar a disputa de forma independente.

É claro que Páris foi subornado, e favoreceu uma das deusas em troca do amor da mulher mais bela. Essa mulher era Helena. Obviamente, sendo a mulher mais bela, Páris não era o único de olho nela. E foi por causa dessa maçã que começou a Guerra de Tróia.

Fica a dúvida: a culpa é de Éris, que só jogou a maçã? Da deusa espírito de porco que resolveu subornar Páris? Ou do pobre mortal que aceitou uma honesta contribuição divina?

Éris, uma Deusa MultimídiaEditar

Infelizmente, o Sistema Solar tem um tamanho limitado, e há tempos já se esgotaram os planetas para homenagear deuses. De Mercúrio a Netuno, apenas sete deuses conseguiram o privilégio de nomear planetas. Plutão foi recentemente rebaixado à categoria de planeta anão.

Mas se Éris não conseguiu uma vaga nos nomes dos 7 planetas principais, pelo menos dessa vez ela não ficou de fora da festa. O planeta anão número 136199 foi formalmente batizado como Éris. E o curioso é que os deuses-planetas são todos romanos – Júpiter, Saturno, etc. Éris conseguiu manter o nome grego, na contramão da convenção estabelecida. Não era de se esperar nada diferente vindo da deusa da Discórdia.

Éris também ganhou um pouco de fama aparecendo nos desenhos animados. Ela aparece como a vilã da animação da Disney Sinbad: A Lenda dos Sete Mares, na voz de Michelle Pfeiffer. Aparece também, em uma versão bem mais divertida, em As Terríveis Aventuras de Bill e Mandy.

E se foi temida pelos gregos e romanos, esquecida ao longo dos séculos, homenageada com um planeta anão, e vilanizada pelos desenhos animados, Éris tem um grande trunfo sobre outras divindades mitológicas. Ela ganhou uma religião inteira só para ela. Nem Zeus pode dizer o mesmo!



Fonte: Penumbra Livros